6 Inseguranças dos Futuros Pais

Dizer que é apenas a mulher que engravida é um erro comum, por vezes os futuros pais são deixados um pouco à margem, uma vez que as atenções estão agora voltadas para a mulher grávida. Se vai ser pai enfrente os seus receios e inseguranças, sabendo que não é o único, e que não há melhor pai para o seu filho do que você.

Ser pai não é fácil, a preparação para aquele que vai ser o seu papel paterno vai sendo trabalhado ao longo da gravidez, pelo caminho pode enfrentar alguns medos e inseguranças que o farão vacilar na sua auto-confiança enquanto futuro papá. Mas não se deixe abalar por esses sentimentos, não é o único, e não tenha medo de os partilhar.

1 A questão financeira

Uma das primeiras questões que os homens se colocam a eles próprios é: conseguirei proteger e sustentar a minha família? A questão monetária torna-se bastante importante nos dias que correm, pois 2 salários têm de servir agora para 3 pessoas (se for o primeiro filho). Além do fator financeiro, o homem terá também de fornecer apoio emocional à sua companheira, que estará sujeita a grandes alterações humorais, e que irá procurar certamente conforto e compreensão no ombro do pai do seu filho.

2 Será que estou à altura?

À medida que o momento do parto se aproxima o futuro pai começa a preocupar-se com a sua performance durante o trabalho de parto e se vai conseguir “estar à altura do momento”, sem desmaiar ou sentir-se mal. A verdade é que a maioria dos pais vive o momento tão intensamente como a mãe, ficando ao lado dela de maneira estóica e corajosa, e as mulheres sentem que a presença do pai do seu filho é fundamental para conseguirem ultrapassar os momentos mais críticos do trabalho de parto. Além disso, um pai quando sai da sala de parto tipicamente diz: “Tenho um filho lindo e a minha mulher foi fantástica!” O ver sangue ou ficar impressionado cai no esquecimento.

3 O segredo da adaptação

O nascimento do seu filho, inevitavelmente trás à tona algumas questões sobre a própria vida, “viverei tempo suficiente para o ver crescer, para o acompanhar?” Os pais deixam de ser a geração mais nova para dar lugar aqueles que serão os seus substitutos. A preocupação de viver e sobreviver deixa de ser um ato de “egoísmo” para ser um ato de proteção e altruísmo relativamente à família, o pensamento de invencibilidade e imortalidade desaparece.

4 O desconhecido

O ambiente hospitalar é desconhecido para o casal, e muitas vezes o futuro pai pode sentir-se desconfortável quando os profissionais de saúde expõem a sua mulher e realizam exames obstétricos tais como o toque vaginal.

Pode ser difícil para o homem perceber o seu papel e importância no desenrolar do trabalho de parto, principalmente devido ao desconhecimento das regras e condutas de uma sala de partos. O curso de preparação para o parto desempenha um papel fulcral no desmistificar do desenrolar da gravidez e dos procedimentos associados ao parto. Durante esse mesmo curso elaborará um plano de parto que o ajudará a definir melhor o seu desempenho, e saiba que este vai ser fundamental para a sua companheira.

O pai tem um lugar muito especial durante o trabalho de parto será os olhos e ouvidos da grávida e ajudá-la-á a relembrar técnicas específicas para cada fase do trabalho de parto de forma a que este decorra o melhor possível.

5 Vai tudo correr bem!

A gravidez e o parto são duas situações que podem colocar em risco a vida da mulher e do bebé, felizmente a maioria das gestações decorre sem problemas, no entanto a sombra da elevada mortalidade materno-fetal dos anos 20 ainda pode pairar sobre a mente de muitos papás. Atualmente com a evolução da vigilância da saúde materna e a melhoria dos cuidados de saúde, a taxa de mortalidade materno-fetal é uma das mais reduzidas da Europa, como pai do bebé, deve sim ajudar e acompanhar a sua mulher às consultas e estar presente no grande momento do nascimento do seu filho.

6 O amor vence tudo

Por último, muitos homens receiam que o nascimento de um filho possa afetar a sua relação com a sua companheira, a verdade é que esta será uma das maiores provas de fogo à sua relação, e pode sentir-se à margem devido à relação próxima entre mãe e filho. No entanto, a mãe e o pai têm um papel diferente no desenvolvimento do bebé, e enquanto a mãe pode dar carinho e segurança, o pai será o símbolo da liberdade e sentido sobre o mundo, afinal de contas os pais são complementares e imprescindíveis.

Se eventualmente sentir que fica à parte da relação com o seu filho fale com a sua companheira e exponha-lhe as suas dúvidas, questões e juntos implementem estratégias para que ninguém se sinta de lado.


Por Susana Carvalho de Oliveira
Enfermeira Especialista em Saúde Materna e Obstétrica
Parteira de profissão e de coração desde 2011. Impulsionadora e diretora do projeto VouNascer. Desde 2006 que trabalha na área de obstetrícia, primeiramente no internamento de obstetrícia de um hospital privado, da área da grande Lisboa, e atualmente no bloco de partos e urgência obstétrica de um hospital público. É também conselheira em aleitamento materno reconhecida pela OMS/UNICEF, reflexologista na área da gravidez e parto, e co-autora do Método Nova-Génese. Empreendedora e dedicada de natureza. Tem 2 filhos rapazes que todos os dias lhe recordam as alegrias da maternidade.

Comentários

Ao escolher o seu país inscreve-se na nossa newsletter para receber as últimas informações sobre maternidade, descontos e novidades.

Ops! Ocorreu um erro

Por alguma razão não foi possível colocar o seu comentário.
Por favor tente mais tarde!

Fechar

O seu comentário foi enviado!

Em breve ficará disponível. Obrigado!

Voltar à Homepage